Flagrante: como detectar mentiras na entrevista de emprego

Deixar um comentário

Currículo impecável, fluência em dois idiomas estrangeiros, viagens ao exterior e experiências profissionais perfeitas para o cargo desejado. Mas será que tudo isso é verdade? Detectar mentiras durante a entrevista de emprego para descobrir até que ponto o discurso do candidato é real é uma das árduas tarefas de recrutadores.

A boa notícia é que basta um pouco de atenção para identificar o que é verdade e o que é inventado. “Não é necessário ser um especialista em linguagem corporal para identificar pequenas mentiras no discurso de um candidato, e sim um observador atento e acostumado a realizar processos seletivos”, garante Francine Amadeu Silva, gerente de RH da Luandre, uma das maiores agências de emprego da América Latina, com mais de 45 anos de atuação.

Neste artigo, você vai conhecer algumas técnicas simples para descobrir se a história contada pelo candidato condiz à realidade. Dessa maneira, você evita contratar um desconhecido que está disposto a contar mentiras para se favorecer.

detectar mentiras
Perguntar detalhes de experiências profissionais ajuda a descobrir se o discurso é verdadeiro. Foto: iStock, Getty Images

4 dicas para detectar mentiras em entrevistas

Embora não exista uma fórmula para identificar inverdades que possam ser contadas pelos candidatos, algumas perguntas básicas ajudam a descobrir a verdade por trás do discurso. Confira:

1. Conheça os detalhes

“A melhor forma de verificar a veracidade é fazer com que o candidato se aprofunde no assunto”, explica Francine. “Em geral, quando a história não é real, a pessoa tende a se perder nos detalhes, mostrar nervosismo e em alguns casos até gaguejar.”

Para fazer isso, não são necessárias perguntas muito elaboradas. Se há dúvidas quanto à experiência profissional, por exemplo, basta pedir ao candidato que explique com mais detalhes qual foi sua utilidade para a antiga empresa, que metas alcançou, com quem trabalhou e o que aprendeu.

2. Fique atento a exageros

Candidatos que não se sentem preparados para a vaga podem exagerar no relato das próprias habilidades, em uma tentativa de aumentar as chances de contratação. Infelizmente para eles, os exageros são facilmente identificados.

Fluência em mais de um idioma estrangeiro, por exemplo, não é uma competência comum, e pode ser desmascarada com uma simples prova. E isso nos leva à terceira dica.

3. Aplique testes de idioma

“As mentiras mais comuns, que são sobre nível de conhecimento de outros idiomas e formação acadêmica, podem ser verificadas através da aplicação de testes”, esclarece Francine.

Outra alternativa para detectar mentiras é recorrer à análise de documentos como certificados e diplomas, ou até mesmo conduzir a entrevista no idioma especificado pelo candidato, caso essa seja uma exigência ou diferencial para a vaga. Afinal, se ele se autodeclara fluente em inglês, precisa estar preparado para conversar dessa forma.

4. Avalie o comportamento

A última dica refere-se à análise do comportamento do candidato durante a entrevista. Embora a ansiedade e o nervosismo sejam comuns em um momento decisivo para a carreira profissional, o recrutador deve estar atento a reações provocadas por perguntas específicas.

Um bom analista pode encontrar respostas em micro-expressões faciais, alterações na entonação da voz e hesitações. Se você se interessa pelo assunto, talvez valha a pena se especializar em cursos de linguagem corporal.

Preparação prévia ajuda a detectar mentiras

Francine argumenta que cada processo seletivo é diferente dos demais, pois possui peculiaridades referentes ao empregador, ao cargo e ao nicho de mercado. A recomendação, portanto, é se preparar com antecedência para todas as entrevistas.

Para fazer isso, a dica é analisar o currículo e verificar a veracidade das informações ali contidas. A internet está repleta de informações sobre as empresas, e as próprias redes sociais do candidato podem servir como ponto de partida.

Outra alternativa é entrar em contato com os antigos empregadores, em busca de referências que atestem a qualidade do profissional e a veracidade das informações.

Para finalizar, vale lembrar que todo esse esforço não é em vão, porque o tempo gasto durante o processo seletivo permite evitar contratações de profissionais despreparados, que, em última análise, apenas irão gerar mais dor de cabeça para os empregadores.

Gostou da matéria? Então ajude a divulgar o artigo compartilhando o link com seus seguidores nas redes sociais. Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias.

Matérias relacionadas