Adeus ao aluguel burocrático: conheça o case da startup QuintoAndar

Deixar um comentário

Precisando alugar um apartamento, você recorre aos catálogos online das imobiliárias, mas se depara com informações imprecisas, fotos de baixa qualidade e não consegue sequer agendar uma visita. Soa familiar? Pois é esse caos que a plataforma de aluguel QuintoAndar promete solucionar.

Para conhecer a história da empresa – que tem inspiração na plataforma de hospedagem Airbnb – e entender suas ambições, conversamos com Gabriel Braga, co-fundador e CEO da QuintoAndar. O resultado da entrevista você confere a seguir. Prepare-se para deixar a burocracria de lado e boa leitura!

Má qualidade dos serviços criou a oportunidade

Braga explica que a experiência negativa com as imobiliárias foi a inspiração para criar a plataforma. “Eu e o André Penha, meu sócio, começamos a discutir a ideia do QuintoAndar a partir da nossa frustração e inconformismo com a qualidade do serviço oferecido pelas imobiliárias”, conta.

“É um mercado enorme, que movimenta em torno de R$ 200 bilhões por ano só no Brasil, e até hoje é atendido por empresas familiares de bairro, que cobram muito caro por um serviço de baixíssima qualidade.”

Essa combinação, aliada às potencialidades da internet, despertou a dupla para um novo modelo de negócio. “A internet mudou o mercado de classificados, mas o resto do processo continuava praticamente intacto. Os portais das imobiliárias substituíram os antigos classificados de jornais, mas os clientes continuam se frustrando com a qualidade da informação disponível online e continuam reféns de um processo totalmente offline”, explica.

Diante disso, Braga explica que o QuintoAndar nasceu com a missão de garantir uma experiência eficiente do início ao fim do processo de aluguel, usando tecnologia para viabilizar mais self-service e transparência.

QuintoAndar é startup para aluguel de imóveis
Fundada em 2012, atualmente a empresa conta com 50 funcionários e opera em São Paulo e Campinas. Foto: Reprodução

Airbnb e Uber como inspiração

Depois de trabalhar na Airbnb em 2011, o co-fundador do QuintoAndar inspirou-se no modelo de negócio da empresa para facilitar o burocrático processo de aluguel enfrentado pelos brasileiros. “Nos inspiramos em empresas como Airbnb e Uber, por serem companhias que usaram tecnologia para facilitar processos muito antigos e criar um novo patamar de serviço”, relata Braga.

E a promessa é repetir o sucesso dos precursores. “O que a Airbnb e a Uber fizeram para o aluguel de temporada e o transporte urbano é o que queremos fazer para o mercado de aluguel de longa duração. São mercados totalmente diferentes, mas que são análogos em várias dimensões”, projeta.

Como similaridades, o CEO cita o empoderamento do usuário por meio do self-service, o foco na transparência, o uso da tecnologia na busca por soluções e a rede de colaboradores criada pelas plataformas (como fotógrafos e anfitriões, no caso da Airbnb, motoristas, no caso da Uber, e corretores, no caso do QuintoAndar).

Como funciona a QuintoAndar

Confira, a seguir, as etapas de funcionamento da plataforma, que, por enquanto, está disponível em São Paulo e Campinas:

Escolhe dos imóveis e agendamento das visitas

Não é preciso conversar com ninguém para agendar a visita. O processo é todo online. “Nós fotografamos e catalogamos cada imóvel para poder oferecer uma busca verdadeiramente self-service, com fotos que realmente mostram como o imóvel é, busca pelo mapa com localização exata dos imóveis e filtros exclusivos”, explica Braga, salientando que essa técnica é mais simples do que explicar para um corretor.

Corretores avaliados pelos próprios usuários

Ao agendar a visita pelo site, o sistema aloca o corretor mais capacitado para atendê-lo. “Nesse sentido, é muito parecido com a Uber. Cada corretor tem um aplicativo que organiza suas visitas e otimiza suas rotas, aumentando muito a sua produtividade. Além disso, os corretores são avaliados pelos próprios clientes”, explica Braga. “Corretor bom ganha muito mais negócio com menos esforço. Corretor ruim é rapidamente excluído do sistema.”

Documentos online

Se o usuário gostar de um imóvel, pode discutir e negociar os detalhes diretamente com o proprietário. Isso evita a sensação que há intermediários atravancando a conversa. “Fechada a negociação, a documentação também é enviada totalmente online e fazemos a análise de crédito em 24 horas”, completa o co-fundador.

Comissão

Finalmente, Braga explica que o modelo de receita é semelhante ao das imobiliárias. Cobramos 100% do primeiro aluguel pela intermediação da locação e 8% do aluguel mensal pela administração da locação.

Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias. Não esqueça de compartilhar esse artigo com seus amigos nas redes sociais.