Conheça a Lectorati, a rede social para leitores da América Latina

Deixar um comentário

Quem gosta de ler costuma dividir seus gostos literários com os amigos, compartilhando opiniões sobre obras e autores. De olho nessa interação, a Lectorati criou uma rede social exclusiva para leitores, levando a biblioteca e o repertório de cada usuário para o universo digital.

Para entender como funciona a plataforma e conhecer mais sobre a startup argentina, conversamos com o fundador da empresa, Juan Ramiro Fernandez. O resultado da entrevista você confere a seguir. Boa leitura!

Lectorati explora a interação entre leitores

Qual a primeira coisa que você faz quando visita um amigo? Há várias respostas possíveis, mas, para Fernandez, o comportamento dos leitores nesse momento é padrão: “Ao chegar à casa de algum conhecido, a primeira coisa que os leitores fazem é observar a biblioteca do anfitrião”. Ele explica que isso acontece pela curiosidade e pelo interesse em compartilhar os gostos literários.

“Quais livros você leu? O que há aqui que eu não conheço? Você tem algum para me recomendar?” De acordo com o fundador da startup, os questionamentos são comuns entre os apaixonados pela leitura, e foi essa interação que deu origem à Lectorati.

O detalhe é que a empresa levou a experiência para um formato digital, potencializando e expandido seu alcance: a plataforma abrange toda a América Latina, não importa qual o país ou idioma do usuário.

“A Lectorati nasce como uma rede social de leitores, na qual eles podem compartilhar o que estão lendo, descobrir novas leituras, receber recomendações e comprar os livros diretamente na plataforma”, explica o fundador da empresa.

Lectorati: rede social para leitores
Desenvolvida totalmente em espanhol, plataforma permite a interação entre leitores. Foto: Lectorati.com, reprodução

Como funciona a rede social

A plataforma desenvolvida pela Lectorati funciona de maneira intuitiva, sem grandes dificuldades que possam confundir o usuário. Depois de efetuar o registro gratuitamente, os interessados montam suas bibliotecas virtuais de acordo com três critérios:

  • Livros que já foram lidos
  • Livros que estão lendo
  • Livros que serão lidos

Em seguida, a plataforma se encarrega de gerenciar as recomendações. “Assim que conhecemos os gostos do usuário, podemos recomendar amizades, para que sigam outras pessoas e conheçam seus hábitos de leitura, ou podemos recomendar novos livros, com base nas preferências”, resume Fernandez.

Otimismo para o futuro

A estratégia parece estar dando certo, pois a rede social já possui mais de 100 mil usuários, provenientes de países de toda a região, com destaque para o México, a Argentina e a Colômbia.

Por fim, Fernandez explica que a empresa vê o faturamento crescer mais de 70% todos os meses, gerando um otimismo generalizado entre a equipe. Em outubro de 2015, a aceleradora Wayra escolheu a startup para o seu programa de aceleração na Argentina. Assim, a empresa de Fernandez será impulsionada com investimentos, mentoria e espaço para trabalhar.

Gostou da história da Lectorati? Então compartilhe o artigo com seus seguidores nas redes sociais. Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias.