Saiba como montar uma loja de artesanato

Deixar um comentário

Habilidade, dedicação e conhecimento sobre culturas locais. Esses são apenas alguns dos requisitos importantes para abrir uma loja de artesanato de qualidade. Entrar nesse mercado exige atenção e, se o trabalho for bem feito, você pode conquistar um público bastante variado, vendendo produtos exclusivos bastante apreciados. Saiba mais sobre a área.

Desafios para abrir uma loja de artesanato

Ao abrir uma loja de artesanato, o empreendedor deve compreender que seu público é muito amplo, difícil de segmentar. Muitos podem ver isso como um ponto negativo, mas essa é também uma virtude.

De acordo com o professor do Instituto Politécnico Nacional de Oaxaca, no México, Julio Cesar Jimenez Castañeda, produtos artesanais normalmente são muito apreciados e muito variados. Em países latino-americanos, muitos dos consumidores são estrangeiros. “No México, por exemplo, geralmente são americanos que buscam algo como recordação dos países que visitam”, explica Castañeda.

O empreendedor que deseja criar uma loja de artesanato deve pensar em transmitir sentimentos da cultura local.
O empreendedor que deseja criar uma loja de artesanato deve pensar em transmitir sentimentos da cultura local. Foto: iStock, Getty Images

O encarregado das operações da Fundación Artesanías de Chile, Claudio Villegas, vai pelo mesmo caminho: de acordo com ele, mais de 50% do público que compra artesanato no Chile é composto por turistas estrangeiros.

Artesanato é arte popular

Mas como começar um negócio em uma loja de artesanato? De acordo com Castañeda, saber o que você vai vender é de suma importância. O primeiro passo, segundo ele, é partir do pressuposto de que trata-se de uma arte popular. 

Para Villegas, o empreendedor deve transmitir um legado cultural em cada peça, pois aquilo faz parte de uma cultura. “Esses elementos são fatores de diferenciação, e são valorizados pelos clientes”, relata. Tradição, aspectos culturais e locais têm impacto muito forte sobre o artesanato. Para ele, a transferência de geração para geração sobre o negócio cria uma sensação de pertencimento geral do público sobre esse ofício.

Outro desafio, de acordo com Castañeda, é a manufatura: o tempo e o volume de produção não são os mesmos daqueles obtidos em negócios tradicionais. “Os processos artesanais são lentos, já que na arte se imprime um toque pessoal e único”, explica. Além disso, muitos negócios baseados em artesanatos têm produção familiar e, por isso, nem sempre se consegue lidar com volumes de pedidos muito grandes.

Ter experiência prática sobre a qualidade dos objetos também é muito importante. Segundo Castañeda, para que uma peça seja considerada de qualidade, é necessário ter o conhecimento e a habilidade que só os anos de artesanato podem fornecer. “Uma peça de qualidade outorga prestígio e fama tanto para o criador quanto para a comunidade em que está inserido”, finaliza.

Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias. Não esqueça de compartilhar esse artigo com seus amigos nas redes sociais.