Saiba como fazer a conciliação bancária de entradas e saídas de sua empresa

Deixar um comentário

Saber exatamente o que entra e o que sai das contas do negócio – ou seja, ter um bom controle financeiro – é determinante para a saúde financeira de uma companhia e ajuda na tomada de decisões embasadas. Para isso, é essencial fazer constantemente a conciliação bancária. Confira, a seguir, o que é essa ferramenta e como colocá-la em prática.

O que é a conciliação bancária

Conciliação bancária é a ação de comparar todas as entradas, saídas e saldos da empresa com a movimentação bancária, com o objetivo de conferir se a contabilidade do negócio fecha com os registros do banco.

Esta ferramenta de gestão é essencial para empresas que lidam diretamente com o comércio, nas quais, com frequência, são constatadas diferenças entre o controle interno e os registros bancários. Através da conciliação bancária que as empresas podem realizar a conferência e corrigir informações não registradas sobre vendas feitas com cartões, cheques e boleto bancário, por exemplo.

conciliação bancária
Conciliação bancária é uma ferramenta de gestão que permite prever melhor o fluxo de caixa de seu negócio. Foto: iStock, Getty Images

O ideal é que a conciliação bancária seja feita com periodicidade pré-determinada. Se ela será semanal, mensal ou anual, isso vai depender da necessidade de cada empresa.

Para facilitar a vida da empresa, existem softwares especializados na tarefa, como os sistemas de gestão integrada ERP.

Como fazer a conciliação bancária

1º passo

A conciliação bancária começa com o controle diário de todas as entradas e saídas da empresa em suas contas bancárias, como recebimento de clientes e pagamentos de fornecedores, empréstimos, salários, impostos, tarifas bancárias e juros.

2º passo

A segunda etapa é conferir se os saldos iniciais e finais do controle interno fecham com o resultado que aparece no extrato bancário.

3º passo

Após conferir o saldo, verifique se datas e valores de entradas e saídas que aparecem no extrato bancário correspondem ao seu controle interno.

4º passo

Caso haja alguma discrepância, é necessário corrigir o controle interno, a fim de equipará-lo ao registro bancário ou contestar pagamentos indevidos.

Algumas situações que podem ser verificadas nessa etapa são lançamentos incorretos no controle interno; créditos ou débitos indevidos por parte do banco; cheques ainda não compensados e transferências não processadas; depósitos não identificados; e débitos de impostos ou tarifas bancárias e rendimentos de aplicações financeiras.

5º passo

A última etapa consiste em enviar os dados para a contabilidade no final do mês. Para isso, é essencial guardar todos os documentos que precisam ser enviados, como comprovantes de pagamentos, notas fiscais, boletos e extratos bancários.

Vantagens da conciliação bancária

A conciliação bancária é uma ferramenta que permite que a empresa controle e preveja melhor o seu fluxo de caixa, o que permite realizar um planejamento orçamentário mais realista e efetivo. A partir disso, a tomada de decisões que envolvem movimentações financeiras passa a ser mais embasada e rápida.

A correção bancária também auxilia a correção de avaliações financeiras que foram momentaneamente comprometidas, como no caso de cheques que demoraram para ser emitidos e compensados. Com esta ferramenta, eles podem ser computados corretamente no controle financeiro da empresa.

Agora que você já sabe tudo sobre a conciliação bancária, basta definir uma periodicidade para aplicá-la na sua empresa. Se você tem dúvidas ou sugestões, deixe seu comentário abaixo. Não esqueça de compartilhar o artigo com seus seguidores nas redes sociais.