Vale a pena contratar um candidato que troca de emprego com frequência?

Deixar um comentário

Você analisa a carteira de trabalho do candidato e franze a testa. Três meses em uma empresa, meio ano na outra, poucas semanas na última… Por que esse sujeito troca de emprego com tanta frequência? O que isso diz sobre a sua personalidade e suas habilidades como profissional?

Não existe uma resposta definitiva para essas perguntas, já que é preciso analisar cada candidato de forma particular. Mas, para a gerente de relacionamento da consultoria Produtive, Melina Graf, essa condição está associada mais à idade do que ao desempenho: “Querer experimentar alternativas no mercado de trabalho é uma característica dos profissionais mais jovens”.

Neste artigo, você vai conhecer as possíveis vantagens e desvantagens da contratação de um profissional que costuma trocar de emprego regularmente. Boa leitura!

troca de emprego
Imediatismo e versatilidade são algumas das características comuns aos job jumpers. Foto: iStock, Getty Images

Por que contratar quem troca de emprego com frequência

Listamos, a seguir, algumas características e competências que podem estar associadas a um job jumper, expressão inglesa utilizada para nomear os profissionais que pulam de uma empresa para outra. Confira:

1. Capacidade de adaptação

Um profissional que troca de emprego regularmente provavelmente terá menos dificuldades de adaptação do que alguém com o perfil mais conservador, que preza pela estabilidade. Por terem atuado em diversas empresas, os job jumpers são mais versáteis e podem ser úteis para sua empresa em mais de uma tarefa.

2. Conhecimento do mercado

Ao contratar um job jumper, você também contrata a experiência desse profissional, e tem acesso ao conhecimento que ele acumulou a respeito da concorrência. Talvez ele possa contribuir para aprimorar processos e implementar medidas que tiveram a eficácia comprovada em outras companhias.

3. Alta performance

O simples fato de trocar constantemente de emprego não revela muito sobre o profissional. Ele fica pouco tempo empregado porque é incompetente ou porque é ambicioso e quer acelerar seu crescimento? Na experiência da especialista da Produtive, a segunda hipótese é a mais comum.

Como se vê, o profissional com esse perfil pode ser bastante útil para a empresa. Mas é necessário criar mecanismos para cativá-lo e impedir que ele continue trocando de emprego. “O desafio das empresas é descobrir maneiras de reter esses talentos e permitir que eles se sintam atraídos. As empresas precisam aprender a ter flexibilidade para que isso aconteça”, aponta Melina.

Possíveis desvantagens para a empresa

Os riscos que a empresa corre estão relacionados justamente ao desafio de reter o profissional. Caso ele não se sinta motivado a continuar, a companhia pode ter dificuldades em encontrar outro candidato para desempenhar a função.

Além disso, é preciso ficar de olho nos custos de um processo seletivo. Você investe tempo e dinheiro para encontrar a melhor pessoa para o cargo, então não vale a pena repetir a seleção depois de poucos meses.

Para diminuir a margem de erros, é preciso analisar se a pessoa que será contratada é adequada às funções. Alguém ambicioso, dinâmico e imediatista vai se sentir à vontade na sua empresa? Você tem condições de motivá-lo?

Para finalizar, vale lembrar que não existe uma fórmula para aferir a qualidade do profissional com base apenas no histórico profissional. Não se deixe levar por conclusões precipitadas, pois nada substitui a conversa olho no olho. Muitas vezes, essa é a única maneira de descobrir os motivos que o levaram a rescindir o vínculo com os antigos empregadores.

E aí, gostou da matéria? Então ajude a divulgar o artigo compartilhando o link com seus seguidores nas redes sociais. Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias.