Aprenda como conseguir investidores para sua startup

Deixar um comentário

Ter uma grande ideia por vezes não basta para tirar a sua empresa do papel ou, se ela já existir, para fazer seus negócios decolarem. Em muitos casos, é preciso conseguir investidores que acreditem no potencial do seu projeto e garantam a verba necessária para o desenvolvimento do seu produto de forma adequada até que ele chegue ao mercado.

No começo da década, um estudo da Fundação Kauffman apontou que 90% das startups encerravam suas atividades após falharem em seus objetivos iniciais. E, ainda segundo o trabalho, o principal motivo para tanto nem era a competição com outras empresas, mas sim a autodestruição. Pode-se atribuir a isso a falta de conhecimento para fazer o negócio funcionar da melhor forma possível do primeiro dia ao momento de colocar o produto na rua, ao não conhecimento do mercado e da concorrência.

investidores
Startups de grande potencial desistem no meio do caminho por falta de recursos para viabilizar o projeto. Foto: iStock, Getty Images

 

Entre países da América Latina e Caribe, segundo pesquisa do Global Entrepreneurship Monitor (GEM), que faz anualmente uma avaliação mundial do nível de atividade empreendedora em quase 100 países, o índice de encerramento de negócios no Peru, por exemplo, era um dos mais altos no grupo das economias baseadas em eficiência, tendo passado de 5,1% em 2011 para 6,7% em 2012. A “falta de rentabilidade do negócio” e “razões pessoais” foram as principais causas de fechamento das empresas avaliadas.

Ainda de acordo com levantamento do GEM, no caso do Brasil, “84,6% dos empreendedores não procuram qualquer órgão de apoio” para montarem seus negócios, fato considerado “extremante relevante para orientar a formulação de políticas de fomento ao empreendedorismo”.

Como, então, encontrar investidores e convencê-los a apostar em sua ideia em um cenário como esse?

Buscando investidores

Conforme o relatório do GEM, além das formas já tradicionais de financiamento, como captar recursos de bancos ou de órgãos de fomento, outra fonte, conhecida como investidores informais, vem se disseminando no mundo: “Tais investidores consistem em amigos, familiares, conhecidos ou mesmo pessoas que gostaram da iniciativa ou ideia do empreendedor. Esse tipo de financiamento pode ser tanto um empréstimo a ser reembolsado pelo empreendedor quanto um investimento em troca de benefício futuro”.

Esse, no entanto, ainda é um mercado pouco explorado na América Latina. O levantamento da entidade aponta que apenas 2,4% da população brasileira entre 18 e 64 anos investiu em algum negócio iniciado por terceiros. Já no Peru, o número foi de 6,2%, enquanto no Chile, líder no grupo das economias baseadas em eficiência nesse quesito, alcança 15,6%.

Onde estão os investidores

Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), existem algumas opções de investidores para quem está começando:

Anjos-investidores: podem atuar individualmente ou em grupo e costumam levar de duas semanas a seis meses para avaliar um projeto; investem entre R$ 100 mil e R$ 1 millhão;

Fundos de capital semente com recursos privados: costumam fazer um primeiro aporte entre R$ 200 mil e R$ 1 milhão após um período de avaliação que pode durar até seis meses;

Fundos de capital semente com capital público em sua composição: entre três e seis meses costuma ser o período de avaliação; aplicam entre R$ 1 milhão e R$ 5 milhões nos negócios aprovados;

Anjos-investidores

Se a sua opção for por encontrar investidores-anjo, saiba que existem alguns pré-requisitos para que o negócio se concretize. De acordo com o portal Anjos do Brasil, é preciso apresentar uma ideia inovadora e com um diferencial competitivo em relação aos concorrentes (não basta ter o menor preço ou o melhor atendimento). Também é necessário estar dentro de um nicho de mercado com potencial para fazer dezenas ou centenas de milhões de dólares, o que acaba afastando ideias locais, focadas exclusivamente em determinadas regiões.

Negócios tradicionais não são considerados ruins, mas não estão na mira dos investidores-anjo. Também não interessam produtos que possam ser copiados facilmente.

Por fim, é obrigatório ter um plano de negócio muito bem estruturado e “é altamente recomendável que se tenha pelo menos um protótipo ou prova de conceito do seu produto e que tenha sido validado o interesse de compra junto a potenciais clientes”. Segundo o Anjos do Brasil, desta forma, “além de aumentar o interesse dos investidores, você valoriza seu negócio”.

Comentários

  1. Carlos S dice:

    Elaborar um bom plano de negócios e um pitch convincente também faz toda a diferença.