Como usar a computação na nuvem a favor da sua empresa

Deixar um comentário

XaaS, PaaS, IaaS… talvez você não entenda o significado dessas siglas, mas provavelmente já fez uso de alguns desses serviços de computação na nuvem, mesmo que de forma inconsciente.

Os conceitos ainda geram dúvidas entre os empresários e a sopa de letrinhas tende a confundir quem não tem experiência no ramo, por isso vamos esclarecer de forma simplificada as alternativas à disposição da sua empresa para aumentar a produtividade e lucrar mais. Boa leitura!

computação na nuvem
Computação na nuvem permite reduzir gastos operacionais e contratar serviços sob demanda. Foto: iStock, Getty Images

Por que investir em computação na nuvem

O avanço da tecnologia de computação na nuvem criou uma tendência de transformar produtos em serviço, sob a justificativa de reduzir custos, adaptar a oferta à demanda e melhorar os processos.

Assim, você não precisa adquirir um software complexo e instalá-lo no seu computador: pode contratar o serviço e dispor das mesmas funcionalidades com uma simples conexão à internet. Nada disso é novidade para você, certo? E-mail, Google Apps, Office 360, Dropbox e Netflix são alguns dos exemplos mais famosos de utilização da computação na nuvem.

Explicado o conceito, vamos à sopa de letrinhas. O primeiro passo para desmembrar essa equação é explicar que XaaS (X as a service) é um termo que se refere a todos os serviços oferecidos pela computação na nuvem em geral. Por esse motivo, a sigla também é conhecida como “qualquer coisa como serviço” ou “tudo como serviço”.

Desmembrando a computação na nuvem

O XaaS abrange diversos outras siglas, que incluem:

SaaS – Software como serviço

Nesse caso, o software fica armazenado em um servidor remoto e não é instalado na máquina do usuário. Se a sua empresa roda um programa online, ela já faz uso do SaaS. O Office 360 e o Google Apps são dois dos exemplos mais conhecidos.

IaaS – Infraestrutura como serviço

Aqui, o usuário faz uso de um data center de maneira remota. São bancos de dados e servidores acessados à distância, para garantir a segurança das informações e não desperdiçar espaço físico da empresa.

PaaS – Plataforma como serviço

Por fim, o PaaS pode ser caracterizado como uma plataforma inteira contratada pelo usuário. Imagine, por exemplo, que você queira desenvolver um aplicativo. Nesse caso, teria à disposição um espaço para criar e testar, sem a necessidade de compreender em detalhes os softwares de desenvolvimento: todas as ferramentas, aplicativos e base de dados seriam rodados em um espaço específico.

Antes de concluir, vale lembrar que essas são apenas três das aplicações mais comuns de computação na nuvem. Se você ficou interessado no assunto, vale a pena pesquisar para conhecer melhor as funcionalidades e possibilidades. Quanto mais você se dedicar ao tema, maiores serão as chances de escolher o melhor modelo para a sua empresa.

E aí, gostou da matéria? As siglas não são tão complexas como você pensava, não é mesmo? Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias. Não esqueça de compartilhar esse artigo com seus seguidores nas redes sociais.

Matérias relacionadas:

Conheça as tendências de infraestrutura de TIC

Entenda quando seu negócio precisa de escalabilidade de TIC

Cabeamento de rede é obsoleto ou necessário? Descubra

Office 365 ou Google Apps: qual o melhor software de escritório?

Tudo como serviço: uma reflexão sobre os rumos da tecnologia