Demanda reprimida x demanda natural: o que você precisa saber

Deixar um comentário

O consumidor deseja adquirir um produto, mas algo o impede: pode ser a falta de dinheiro, uma ação do Governo ou a oferta reduzida. A esse fenômeno é dado o nome de demanda reprimida. Mais do que entender o conceito, você precisa conhecer suas implicações para compor uma estratégia de mercado eficaz na sua empresa.

Neste artigo, você vai aprender a diferença entre demanda reprimida e demanda natural, e também vai descobrir como utilizar o conhecimento para melhorar o desempenho da empresa. Boa leitura!

demanda reprimida
Falta de dinheiro para consumir é o exemplo clássico para explicar o conceito de demanda reprimida. Foto: iStock, Getty Images

Demanda reprimida x demanda natural

“Demanda natural é o interesse dos consumidores por um produto no estágio normal da economia, e é verificada em boa parte dos produtos, serviços e setores”, simplifica Bernardo Baggio, economista e sócio da Grand River Consulting, empresa de consultoria empresarial.

A demanda reprimida, por outro lado, é observada quando um determinado público tem o desejo ou a necessidade de consumir, mas não pode ou não consegue efetivar essa intenção por motivos externos.

São exemplos de fatores que podem reprimir a demanda:

Falta de dinheiro: famílias com poucos recursos e muitos integrantes

Acesso difícil ao crédito: consumidor que não consegue comprovar renda

Oferta reduzida ou inexistente: carro com lista de espera na concessionária

Restrições governamentais: protecionismo, que impede importações

Como aproveitar a demanda reprimida

Ao identificar uma demanda reprimida, você pode aproveitá-la para melhorar o desempenho da sua empresa. Isso pode acontecer pela oferta de novos produtos ou mesmo por uma mudança estratégica de posicionamento no mercado.

Mas como identificá-la? A dica é recorrer à análise de mercado, a fim de entender o perfil do consumidor e o comportamento do público-alvo. Com esse estudo, você obtém informações a respeito dos hábitos de consumo, o que inclui uma possível demanda reprimida.

Outra dica é acompanhar a ação das empresas que lideram o mercado. “Para empresários menores, é possível captar a demanda reprimida seguindo o movimento de manada gerado pelo líder inovador que motivou os consumidores”, aponta Baggio. “O líder acaba por promover um preço maior, abrindo a possibilidade para que empresários com taxas de lucros inferiores aproveitem essa nova demanda.”

Basta analisar a estratégia das empresas para perceber que esse movimento é bastante comum. “Quando uma grande empresa lança um produto moderno e de muito sucesso, empresários menores, com produtos de qualidade inferior e preço igualmente menor, podem aproveitar a parcela da população que não tem condições de comprar o artigo mais caro”, esclarece o especialista.

Um exemplo dessa prática pode ser observado com o crescimento do número de smartphones, um fenômeno global. “Com uma grande quantidade de celulares no mercado, houve a necessidade de comprar cabos, recarregadores, capas e películas”, exemplifica Baggio. “No início, poucas empresas forneciam esses apetrechos, a preços caros. Como havia uma demanda reprimida pelos acessórios, os empresários que venderam produtos inferiores e mais baratos conseguiram aproveitar uma boa parcela da demanda”

Agora cabe a você tomar a iniciativa para estudar o mercado e entender se existe uma demanda reprimida no seu setor de atuação. Caso haja alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe seu comentário abaixo e contribua com a troca de ideias. E não esqueça de compartilhar esse conteúdo com os seus seguidores nas redes sociais.

Matérias relacionadas:

Conheça os fatores que moldam o comportamento do consumidor

5 insights para entender o perfil do novo consumidor

Geração do consumidor millenium gera desafios para varejistas

Vendas na internet: conheça os hábitos do consumidor brasileiro

Marketing efetivo: conheça 4 palavras mágicas para atrair o consumidor