PaaS: saiba mais sobre navegação em nuvem

Deixar um comentário

Gestores que adotam a computação em nuvem nos seus processos notam rapidamente uma redução nos custos e agilidade maior. Entre os conceitos inovadores que essa tecnologia da informação (TI) nos traz está o PaaS, ou plataforma como serviço (Platform as a Service, em inglês). Entenda aqui o que isso significa.

O que é PaaS

Plataform as a Service, ou PaaS, é um tipo de serviço no qual não é necessária a instalação de uma infraestrutura física para desenvolver ou hospedar uma aplicação. Seu funcionamento ocorre através de sistemas em nuvem, em que é possível armazenar e disponibilizar a informação necessária para o uso de uma ferramenta.

PaaS
Navegação em nuvem traz diversas vantagens para empresas. Foto: iStock, Getty Images

 

As ferramentas de PaaS funcionam como um ambiente real (estrutura física) emulado na rede (estrutura nuvem) Para ilustrar na prática, o sócio da WorkIT, Matheus Ferraz Rodrigues, usa uma analogia: é só visualizar a diferença entre ter uma carta (física) e um e-mail (virtual).

De acordo com Rodrigues, é preciso destacar que, assim como na estrutura local, o ambiente PasS também requer profissionais de TI qualificados e especializados para a operação. “Conhecer  o ambiente ou serviço de forma completa é essencial para extrair o máximo de eficiência com o mínimo de custo”, explica Rodrigues.

A importância da navegação em nuvem

Mas por que investir em navegação em nuvem dentro de sua empresa? Existem diversos motivos. A nuvem reduz custos, aumenta a velocidade, diminui a preocupação com manutenção de infraestrutura e torna o processo de crescimento menos árduo ou perigoso, já que um dos grandes trunfos desse modelo é a “elasticidade”, que no mundo da TI é chamada de escalabilidade.

Rodrigues explica que sua empresa utiliza sistemas em navegação em nuvem, e as vantagens percebidas na prática são muitas. De acordo com ele, os custos em termos de infraestrutura são relativamente baixos, além da garantia (prevista em contrato) de que o serviço estará disponível em 99% do tempo.

“A velocidade de acesso ao sistema também é maior se comparado com uma hospedagem local, além do fato de que, caso tenhamos a necessidade de um recurso maior (seja por quantidade de usuários, seja por features do sistema), podemos de forma simples e rápida melhorar as configurações das máquinas para adequar a demanda”, finaliza.

Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias. Não esqueça de compartilhar esse artigo com seus seguidores nas redes sociais.

Matérias relacionadas:

Conheça as tendências de infraestrutura de TIC

Cabeamento de rede é obsoleto ou necessário? Descubra

Office 365 ou Google Apps: qual o melhor software de escritório?

Tudo como serviço: uma reflexão sobre os rumos da tecnologia

Ferramenta colaborativa: conheça 4 opções para equipes remotas