Saiba o que é burn rate e entenda como ele impacta na sua empresa

Deixar um comentário

O jargão dos profissionais que ocupam cargos executivos é repleto de termos em línguas estrangeiras, usados para designar principalmente processos, métodos e técnicas de gestão. Um deles é o burn rate. Apesar de pouco conhecido, o conceito representa uma área que demanda grande atenção dos administradores de empreendimentos que ainda não atingiram a maturidade. Siga a leitura e saiba mais.

O que é burn rate?

O burn rate representa a velocidade com a qual uma empresa nova gasta o seu capital para pagar as despesas antes de conseguir um fluxo de caixa positivo. Em outras palavras, trata-se da taxa de dinheiro queimado de uma companhia que ainda não tem lucro. Geralmente, mede-se calculando o quanto o negócio gasta em um mês para se manter na ativa, relacionando essa quantidade com o capital de giro disponível.

É importante que o burn rate esteja previsto desde o início no planejamento de negócios, já que esses gastos são naturais a partir do momento que uma empresa é criada e até ela atingir o ponto de equilíbrio. No entanto, se a empresa começar a se exceder nos gastos e a “velocidade de combustão” superar o planejado, sem que haja compensação na receita, é preciso reduzir o burn rate.

Empresário abalado com a Burn Rate.
Administradores devem ter cautela com a queima de capital antes da empresa atingir o ponto de equilíbrio. Foto: iStock, Getty Images

O burn rate pode ser dividido em diferentes etapas: a primeira é a de validação, na qual o dinheiro é direcionado para questões como entrada no mercado e ações de marketing. Já a segunda é voltada à fase de expansão, para fazer o negócio crescer.

3 itens para ajudar a entender o burn rate

É preciso levar em conta outros aspectos financeiros da empresa para compreender o burn rate e organizar as contas da sua empresa ou startup. Veja abaixo três deles.

Burn rate líquido x burn rate bruto

Existem dois tipos de burn rate: o bruto e o líquido. O primeiro representa os gastos totais da empresa. Já o líquido, que é o mais utilizado, é o valor perdido durante determinado período. Em artigo publicado no Both Sides of The Table, Mark Suster, empreendedor e criador da Upfront Ventures, explica que esses valores sinalizam aos investidores sobre a rapidez com que sua equipe precisa angariar fundos, bem como o risco que a empresa está correndo.

Crescimento x rentabilidade

Empresas que estão reduzindo rapidamente as receitas e com margem bruta mais alta devem investir tanto em capital de crescimento quanto em gestão. Isso vai permitir que sua empresa cresça em uma escala mais rápida e consiga, com isso, equilibrar o burn rate com a rentabilidade obtida.

Disponibilidade de capital

Não há uma resposta objetiva para a pergunta de quanto capital você deve queimar. Isso depende de diversas questões próprias de cada empresa. A postura de liderança dos gestores, o planejamento financeiro e, acima de tudo, a disponibilidade total de capital devem ser levados em consideração nessas horas.

Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias. Não esqueça de compartilhar esse artigo com seus amigos nas redes sociais.