Ter máquina de cartão exige planejamento e atenção às taxas cobradas

Deixar um comentário

A consolidação das vendas através de cartões de crédito e de débito tem motivado empreendedores a instalar a máquina de cartão nos mais variados negócios. O objetivo é claro: oferecer ao cliente as facilidades desse método de pagamento. Embora as vantagens sejam muitas, antes de optar pelo aparelho, é necessário adotar alguns cuidados.

Planejamento para ter máquina de cartão é fundamental

Ao optar pela instalação de uma máquina de cartão em seu negócio, o empreendedor deve ter em mente não apenas as facilidades, mas também alguns fatores que podem acabar se tornando um problema posterior. Aqui, vale a dica, repetida em muitas etapas no empreendedorismo, mas sempre válida: planejamento.

maquina de cartão
Máquinas de cartão apresentam vantagens para empreendedores e consumidores, mas é preciso atenção às taxas cobradas. Foto: iStock, Getty Images

O primeiro passo é conhecer realmente a necessidade do seu negócio. Em função das taxas e dos custos para manter uma máquina de cartão (leia mais abaixo), é preciso avaliar se o estabelecimento de fato precisa dela. E como fazer isso? Conhecendo o perfil do seu cliente.

Se o público-alvo não costuma utilizar essa ferramenta, e prefere efetuar os pagamentos em dinheiro, é bem provável que a máquina se torne um gasto desnecessário, consumindo uma parte da renda que poderia ser utilizada para outro fim.

Para que o aparelho seja implantado como uma medida de sucesso no seu estabelecimento, o mais indicado é que seja feita uma avaliação das vendas em comparação aos meses anteriores, nos quais não havia esse recurso de pagamento.

O cálculo é bastante simples: para que o investimento compense, você deverá ter um aumento nas vendas em um índice superior a 5%. Caso seu lucro fique abaixo disso, será necessário reavaliar o investimento feito na máquina de cartão.

Custos e taxas para ter uma máquina de cartão

Independente da operadora que você escolher para as suas transações, existem taxas a serem pagas sobre esses serviços. Veja abaixo quais são elas e entenda como você pode negociá-las.

Aluguel da máquina

De forma geral, as máquinas são alugadas pelas operadoras. Ou seja, quando você opta por não utilizá-la mais, elas são devolvidas. Os custos podem variar entre as empresas que disponibilizam o serviço.

Normalmente, as máquinas sem fio possuem o aluguel mais caro. Esta tarifa pode ser negociada dependendo de alguns fatores, como o tipo de empreendimento para o qual você está alugando a máquina, ou conforme o volume de vendas do seu negócio.

Taxa de vendas

É o principal método de lucro das empresas fornecedoras de máquina de cartão. Sobre cada venda realizada pelo seu negócio há a cobrança de um percentual, que varia de acordo com o tipo de transação realizada.

A menor porcentagem é sobre compras feitas no débito, enquanto as taxas mais altas ficam por conta das vendas parceladas. Se você deseja obter o pagamento adiantado de uma venda a prazo, pode solicitar o seu recebimento, mas também mediante pagamento de taxa.

Aqui, vale a mesma dica aplicada para o aluguel: vale a pena tentar negociar as tarifas, dependendo do valor envolvido nas vendas. Uma outra sugestão é pesquisar as taxas aplicadas na sua região e nos empreendimentos semelhantes ao seu negócio.

Assim, é possível ter uma noção dos valores cobrados, o que possibilita uma segurança maior na hora de solicitar a redução das taxas, ou até mesmo para negociar em conjunto com lojas de perfil semelhante para obter descontos coletivos antes da contratação.

Comentários

  1. Carlos S dice:

    Apesar das taxas, acho que é necessário ter uma maquininha de cartão. Os estabelecimentos perdem muita oportunidade de negócio quando não aceitam outros tipos de pagamento.

  2. angelasilva dice:

    Concordo com o Carlos. Ter maquininha de cartão hoje em dia é indispensável para qualquer negócio.