O que um manifesto de 2009 ensina sobre a cultura organizacional de uma empresa

Deixar um comentário

Em agosto de 2009, a Netflix publicou um manifesto em forma de apresentação. São 124 telas com ideias, inspirações e diretrizes que pretendiam ser a base da cultura organizacional da empresa. Passados seis anos de sua elaboração, o manifesto Netflix tem outra conotação atualmente, porque se trata de um documento fundador de uma das maiores empresas de entretenimento do mundo. Uma que mudou a indústria e tem um papel decisivo em temas como telecomunicações e mídia.

A sequência está no SlideShare, no perfil de Reed Hasting, cofundador da empresa. São 11 milhões de visualizações — sem contabilizar as cópias, republicadas por diversos outros usuários na plataforma. O título da apresentação é “Cultura Netflix: Liberdade e Responsabilidade”, exibindo o símbolo do yin yang.

capa do documento sobre cultura organizacional do Netflix
Capa do documento sobre cultura organizacional do Netflix. Equilíbrio entre responsabilidade e liberdade. Foto: Reprodução

Conforme destaca o analista de marketing digital e mídias sociais Ivan Alves Nogueira, em um artigo publicado no Linkedin Pulse as telas oscilam entre código de conduta e guia de cultura organizacional.

No fundo, o que o manifesto prega, em resumo, é a importância de manter flexibilidade nos processos e condutas para cortar gastos desnecessários com controles excessivos. Mas prega responsabilidade — e, portanto, consequências para os atos de cada funcionário.

Alguns pontos de destaque:

  • Flexibilidade é mais importante do que eficiência no longo prazo (tela 77)
  • Descobertas e criatividade em vez de estabilidade no emprego (telas 13 e 38)
  • Contexto e consenso é mais importante do que controle (81 a 87)
  • Férias ilimitadas e ausência de jornada de trabalho fixa (telas 67 a 71)
  • Haja com as melhores intenções aos interesses da organização (tela 74)
  • Somos um time, e não uma família (tela 23)

Mais sobre cultura organizacional de uma empresa

Quais pontos você destacaria? Você acha que vale a pena organizar os valores e a cultura organizacional de sua empresa em um manifesto? Comente.