Sucesso empresarial: 5 dicas para a estabilidade financeira do negócio

Deixar um comentário

Conquistar a estabilidade financeira é uma obsessão entre os empresários. Quando as finanças estão equilibradas, a empresa é capaz de se sustentar sozinha, com um ciclo operacional lucrativo e pouco suscetível a oscilações.

Mas como fazer isso? Neste artigo, você vai conhecer cinco dicas fundamentais para conduzir sua empresa ao sucesso. Prepare o bloco de anotações e boa leitura!

estabilidade financeira
Organização das despesas e receitas é um dos pilares da estabilidade financeira empresarial. Foto: iStock, Getty Images

Conquistar a estabilidade financeira é desafio

Para o consultor Vicente Sevilha, o gargalo que leva ao desequilíbrio financeiro está relacionado à má gestão das despesas. “Pequenos e médios empreendedores têm, com frequência, muita dificuldade em administrar custos em sua empresa”, aponta o especialista. “Os controles muitas vezes são frágeis e superficiais, e os processos de formação de preço são subjetivos.”

Além disso, fatores externos também podem prejudicar a estabilidade financeira das empresas. A variação do câmbio e a oscilação do desempenho econômico do país, com destaque para o consumo e a inflação, são alguns dos exemplos de como a conjuntura econômica pode afetar as companhias.

O desafio, nesse caso, é estruturar uma empresa que consiga se manter alheia a isso, absorvendo os custos e repassando-os conforme a necessidade.

Conquistar a estabilidade financeira nada mais é do que controlar o fluxo de caixa da empresa no médio e longo prazo. Não há segredo ou fórmula mágica para atingir esse objetivo. A única saída é se dedicar para garantir uma gestão competente. Vamos entender melhor?

5 dicas para garantir a estabilidade financeira

1. Separe as finanças pessoais e empresariais

Sevilha explica que um dos erros mais comuns é mesclar as finanças pessoais com as contas da empresa. O grande problema é que essa prática gera descontrole do orçamento. A dica é definir um pró-labore para cada sócio, e segui-lo à risca.

2. Organize despesas e receitas

A recomendação é óbvia, mas ainda há empreendedores que não estudam as finanças da própria empresa. Você precisa saber exatamente quanto dinheiro sai e quanto entra ao longo do ciclo operacional da empresa. Uma boa solução para o problema é investir em mecanismos de controle automatizados, como softwares de gestão.

3. Controle os custos

Buscar reiteradamente a redução de custos é fundamental, porque, dessa maneira, a empresa gasta somente o necessário. O desperdício prejudica a margem de lucro e deixa a estabilidade financeira mais longe.

4. Crie mecanismos para formação de preço

Sevilha explica que os preços devem ser calculados com base no mercado e nos custos operacionais. Nada de definir valores a esmo. “A melhor solução para isto é fortalecer a qualidade de informação financeira e profissionalizar os processos de formação de preço”, ensina.

5. Calcule os impostos com cuidado

Os gastos com tributação não trazem nenhum retorno financeiro para a sua empresa, por isso é necessário enxugá-los ao máximo, conhecendo os detalhes da lei. E a única maneira de fazer isso é dedicar-se pessoalmente. “O empresário acompanha bem de perto os custos com compras e os custos com pessoal, mas abdica dos custos com tributos, deixando-os aos cuidados de terceiros que, por mais competentes que sejam, não vivem o cotidiano da empresa”, argumenta Sevilha.

Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias. Não esqueça de compartilhar esse artigo com seus seguidores nas redes sociais.

Matérias relacionadas