Produção de café sustentável cresce no Brasil

Deixar um comentário

Nos últimos anos, tem crescido constantemente a procura dos consumidores por produtos cuja cadeia de produção respeita o meio-ambiente, adotando práticas trabalhistas mais humanizadas. São os chamados produtos sustentáveis. Uma das áreas em que essa preocupação vem ganhando força recentemente é a produção de café sustentável, que, apesar de ter um custo mais alto, tem maior valor agregado e possibilidade de ganhos superiores.

Segundo a Associação Brasileira da Indústria do Café (Abic), principal agente de promoção do café sustentável no Brasil, apenas pouco mais de 1% das 17,66 milhões de sacas industrializadas de café nacionais são produzidas de formas sustentável. Em mercados mais desenvolvidos, como a França, o consumo desses produtos já ultrapassa 20% da fatia de mercado, o que mostra que há bastante espaço crescimento, tanto para quem vende para o mercado interno quanto para o externo.

produção de café sustentável
Obter a certificação de café sustentável passa por adequar produção nas dimensões social, econômica e ambiental. Foto: iStock, Getty Images

Como é a produção de café sustentável

Sérgio Parreiras Pereira, pesquisador científico do Centro de Café Alcides Carvalho, explica que a sustentabilidade da produção de café está ligada ao conceito que leva em consideração as dimensões social, econômica e ambiental. “Trata da aplicação de boas práticas agrícolas e de gestão que visam produzir um café ambientalmente correto, economicamente viável e socialmente justo”, diz.

A dimensão social da produção de café sustentável diz respeito à melhoria das condições do trabalho, como o combate ao trabalho infantil, a capacitação de quem trabalha na lavoura, a regularização dos trabalhadores junto ao Ministério do Trabalho e o cumprimento das normas de segurança.

A dimensão ambiental diz respeito à adoção de práticas que visam preservar recursos hídricos, a biodiversidade e a qualidade do ar, e se dá, por exemplo, a partir do controle do uso de agrotóxicos e fertilizantes e do reaproveitamento dos resíduos da produção.

Vantagens e desvantagens

Para Pereira, a principal vantagem da produção de café sustentável é possibilidade de obter uma certificação que amplia a visibilidade do produto. “A aplicação das boas praticas agrícolas reduz o desperdício e melhora a gestão da propriedade”, complementa.

A Abic emite a certificação para os produtos torrado e moído através do selo Cafés Sustentáveis do Brasil. Pereira explica que este selo sempre está ligado a outro certificado, como Rainforest Alliance, Fair Trade, Utz Certified, Certifica Minas ou Orgânico, que são responsáveis pela avaliação e auditoria das fazendas. Para obter o selo, é preciso cumprir exigências quanto à origem dos grãos nas fazendas e o processo industrial.

Para receber o selo, o café certificado deve comprovar que um mínimo de 60% do blend – matéria-prima básica para cafés superiores e gourmets – é proveniente de fornecedores sustentáveis.

Por outro lado, a principal desvantagem da produção de café sustentável está relacionada ao aumento de custos, especialmente as despesas iniciais para adequar as rotinas tradicionais ao modelo sustentável.

Apesar disso, a produção de café sustentável envolve menos riscos do que a produção convencional, pois “trata da aplicação do conhecimento gerado pela pesquisa visando um bom produto, com redução de riscos”, conforme explica o pesquisador Sérgio Parreiras Pereira. De acordo com a Abic, a implementação da produção de café sustentável garante um produto melhor, com maior valor de revenda, o que vem a compensar a necessidade de maiores investimentos iniciais.

Se você tem alguma dúvida ou sugestão sobre o assunto, deixe um comentário abaixo e contribua com a troca de ideias. Não esqueça de compartilhar esse artigo com seus amigos nas redes sociais.